Esse artigo faz parte da categoria de artigos conceituais e descreve os tipos de testes de software. Em outro artigo havia escrito sobre as fases de testes, e acredito que esse novo artigo contribua para o correto entendimento de conceitos fundamentais sobre testes.

Cada tipo de teste tem foco em um objetivo particular, por exemplo:

- em uma funcionalidade, a ser realizada pelo software;

–em uma característica da qualidade não-funcional, como a confiabilidade ou usabilidade,

–a estrutura ou arquitetura do software ou sistema;

– efeitos colaterais de mudanças ocorridas em partes do software, sobre as partes que não houveram mudanças.

tipos de testes

São quatro os tipos de testes de software:

Testes funcionais: As funções realizadas por um software, que representam o que ele faz, podem ser descritas pelos seguintes produtos de trabalho: especificação de requisitos; casos de uso, especificação funcional, ou podem não estar documentados.

Os testes funcionais são baseados em funções, e devem ser realizados em todas as fases de testes. O teste funcional considera o comportamento externo do software (teste de caixa-preta).

Testes não funcionais:Os testes não-funcionais exploram o “ como “ o sistema trabalha e podem ser um dos seguintes tipos:performance; carga ou estresse; usabilidade; interoperabilidade; manutenibilidade; confiabilidade; portabilidade.

Os testes não funcionais podem ser realizados em todas as fases de teste. O termo teste não funcional descreve que o teste é executado para medir as características que podem ser quantificadas em uma escala variável, como o tempo de resposta em um teste de performance.

Testes estruturais

Mantenha-se atualizado !

Insira abaixo o seu e-mail e receba gratuitamente as atualizações do blog!


São tipos de testes estruturais:

O debug que visa achar a causa  raiz de um defeito e entender o comportamento de uma aplicação através de execução passo-a-passo.

O “teste estrutural de execução” é a execução de código instrumentado e a análise de dados coletados com o propósito de encontrar erros e melhorar a qualidade e confiabilidade do software.

Testes de regressão

Consiste em se aplicar, a cada nova versão do software ou a cada ciclo, todos os testes que ja foram aplicados nas versões ou ciclos de teste anteriores do sistema.

Para efeito de aumento de produtividade e de viabilidade dos testes, é recomendada a utilização de ferramentas de automação de testes, de forma que, sobre a nova versão ou ciclo de teste, todos os testes anteriores possam ser reexecutados com maior agilidade